quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Há muito tempo, não escrevo, hoje me deu vontade e escrevi as primeiras palavras que meus dedos quiseram escrever,existem sentimentos contidos que nunca pensei que existiam. Beijos e boa leitura.

 Há uma dor que rasga meu peito...
Uma lágrima dividida e um silencio profundo, 
sabe quando se quer silenciar e quando não se quer.
Existe um vazio entre dois corpos ocultos.
E isso me fere, tanto, tanto...
Que ninguém sequer pode imaginar.
Há vozes em minha cabeça que não se calam,
eu tentei dar o melhor de mim,
mas de nada adianta.
Eu tentei sorrir e não chorar,
mas aquela lágrima dividida decidiu cair.
Eu guardei meus medos, 
para não te assustar...só que eles me assombram, tanto!
Fiquei vazia por dentro , nem mesmo assim consegui.
Aquela dor, me atrapalha e me atropela.
Meus braços doem tentando algo impossível, 
meu corpo se esquiva, mas não adianta,
o sofrimento me procura.
Isso doí, e cada vez mais e mais...
E vou desistido, a cada passo, porque não aguento
mais as vozes e os medos, os silêncios que me afligem, 
as palavras que ninguém me dedica.
Então entendo que nada completa o vazio de dois corpos inexistentes.
E o que resta, é apenas eu,
sendo dilacerada aos poucos e os pedaços sendo deixados 
ali , à dobrar a esquina.